APONTAMENTOS SOBRE A HISTÓRIA DA EVOLUÇÃO DA LÍNGUA


Guilherme Ribeiro


CONSONANTISMO


      O estudo das transformações sofridas pelas consoantes ao longo da sua evolução histórica dá-se o nome de consonantismo.

      O estudo desta evolução obriga, desde logo, a fazer-se uma distinção entre consoantes simples e grupos consonantais.

      I. CONSOANTES SIMPLES:

      1. Em posição inicial (consoantes iniciais), as consoantes latinas, na sua passagem para o português, acabaram geralmente por manter-se inalteradas:

                  Bene > bem

                  Corona > coroa

                  debere > dever

                  Filiu > filho

                  Gutta > gota

                  Latrone > ladrão

                  Manu > mão

                  Navigu > navio

                  Patria > pátria

                  Rota > rota

                  Salute > saúde

                  Tale > tal

      Porém, há a considerar algumas excepções:

                  Cattu > gato

                  Palore > bolor

                  Libelu > nível

                  Vesica > bexiga

                  Vota > boda;

                  etc.

      2. Em posição medial (consoantes mediais), temos que ter em conta os seguintes aspectos:

      2.1. As consoantes mediais surdas, em posição intervocálica, deram lugar às suas homólogas sonoras:

      2.1.1 p > b:

                  ripa > riba

                  lupu > lobo

                  sapere > saber

      2.1.2. t > d:

                  vita > vida

                  rota > roda

                  mutu > mudo

      2.1.3. c (a, o, u) > g:

                  pacare > pagar

                  acutu > agudo

                  focu > fogo

      2.1.4. c (e, i) > z:

                  acetu > azedo

                  cruce > cruz(e)

                  vacivu > vazio

      2.1.5. q > g:

                  Aqua > água

                  Equa > égua

      2.1.6. f > v:

                  trifoliu > trevo

                  __ s > z:

                  rosa > rosa (pronunciado como S no Latim, mas como Z em Português).

      2.2. As consoantes mediais sonoras ou sofreram síncope (desapareceram), ou permaneceram, ou alteraram-se:

      2.2.1. b- Modificou-se em v:

                  faba > fava

                  caballu > cavalo

                  ibam > ia

                  praebenda > prenda

      2.2.2. d - Sofreu síncope:

                  sedere > ser

                  pede > pé

                  fidele > fiel

      2.2.3. g - ou sofreu síncope:

                  regale > real

                  legere > ler

      2.2.3.1. ou vocalizou-se:

                  plaga > praia

                  lege > lei

      2.2.3.2. ou manteve-se:

                  rogare > rogar

                  paganu > pagão

      2.2.4. l - Sofreu síncope:

                  Filu > fio

                  Velu > véu

      2.2.5. m - permaneceu:

                  Amicu > amigo

                  Lacrima > lágrima

      2.2.6. n - Nasalou a vogal anterior e caiu (em muitos dos casos a ressonância nasal desapareceu: Ponere > pôr, Persona > pessoa, General > geral):

                  Lana > lã

                  Manu > mão

      Nas terminações -inu e -ina desenvolveu-se em NH:

                  Vinu > vinho

                  Regina > rainha

      2.2.7. r- permaneceu:

                  Hora > hora

                  Arena > areia

      2.3. Em posição final (consoantes finais), as consoantes latinas sofreram apócope. Apenas se conservaram no português as consoantes -m, -n, -r e -s:

      2.3.1. M: conservou-se nos monossílabos como simples ressonância nasal:

                  quem > quem

                  cum > com

      2.3.2. N: permaneceu como ressonância nasal, ora representada por til, ora por M:

                  in > en > em

                  non > não

      2.3.3. R: permaneceu, mas sofrendo metátese (isto é, passando para antes da vogal precedente):

                  inter > entre

                  semper > sempre

                  quattuor > quator > quatro

      2.3.4. S: permaneceu como marca de plural, mas também nos nomes próprios, nos verbos e advérbios:

                  Aves > aves

                  Deus > Deus

                  Marcus > Marcos

                  debemos > devemos

                  magis > mais

      Observação: As nossas consoantes finais L, R, S e Z são resultantes de uma apócope da vogal E latina:

                  male > mal

                  Regale > real

                  Mare > mar

                  Amare > amar

                  Mense > mese > mês

                  Voce > voze > voz

      II. GRUPOS CONSONANTAIS:

      Entende-se por grupo consonantal a reunião de duas ou mais consoantes no corpo do vocábulo.

      Os grupos consonantais podem ser:

      1. HOMOGÉNEOS. __ quando formados por consoantes iguais ou geminadas, como sucede, por exemplo, com:

                  ille,

                  stuppa,

                  bucca,

                  etc.

      Os grupos consonantais heterogéneos, na passagem do Latim para o Português, reduziram-se a consoantes simples:

           LATIM: .......................... PORTUGUÊS:

          sabbatu > bb...................... > b: sábado

          bucca > cc........................... > c: boca

          additione > dd..................... > d: adição

          effectu > ff........................... > f: efeito

          aggravare > gg..................... > g: agravar

          illa > ll.................................. > l: ela

          flamma > mm........................ > m: chama

          pannu > nn........................... > n: pano

          stuppa > pp.......................... > p: estopa

          gutta > tt............................... > t: gota

      NOTA: No Português moderno não existem consoantes geminadas. O caso do s e do r duplos (ss, rr) têm normalmente ou valor distintivo em relação às respectivas consoantes simples (caro / carro; grosa / grossa)

      2. HETEROGÉNEOS. __ quando o grupo consonantal é constituído por consoantes diferentes, como acontece em: persona, clave, etc.

      3. LATINOS. __ aqueles que existiam no latim, como: persona, clave, etc.

      4. ROMÂNICOS. __ aqueles que resultaram da síncope de uma vogal: oculu > oclo; auricula > auricla; etc.

      5. PRÓPRIOS. __ os que são formados por uma oclusiva (p, b, c, g, t, d) ou por F mais uma consoante líquida __ L ou R: placere, premere, flamma, etc.

      As modificações a que foram sujeitos têm a ver com facto de os mesmos se encontrarem em posição inicial ou medial.

      5.1. Em posição inicial:

      5.1.1. Se os grupos são formados por uma oclusiva ou f, seguidas da líquida R, não há qualquer alteração:

                  braciu > braço

                  breve > breve

                  cruce > cruz

                  credere > crer

                  dracone > dragão

                  drama > drama

                  fructu > fruto

                  frenu > freio

                  gradu > grau

                  granu > grão

                  pratu > prado

                  probare > provar

                  tres > três

                  truncu > tronco

      5.1.2. Com os grupos em que entra a líquida L, temos a considerar o seguinte:

      5.1.2.1. CL, PL e FL sofreram palatalização, isto é, converteram-se em CH:

                  clave > chave

                  clamare > chamar

                  flamma > chama

                  flagrare > cheirar

                  pluvia > chuva

                  plenu > cheio

      Em algumas palavras a líquida L deu lugar à sua congénere R:

                  Placere > prazer

                  Fluxo > frouxo

                  Clavicula > cravelha

                  Flor > frol (arcaico)

      5.1.2.2. BL e GL

      a) ou transformaram-se, respectivamente, em BR e GR:

                  blandu > brando

                  blancu > branco

                  glute > grude

      b) ou reduziram-se, respectivamente, a L e a N:

                  glattire > latir

                  globellu > novelo

      5.2. GRUPOS EM POSIÇÃO MEDIAL

      5.2.1. Os grupos próprios internos contendo a líquida R, quando precedidos de consoante, não sofrem modificação:

                  membru > membro

                  mostrare > mostrar

                  scribire > escrever

                  exfricare > esfregar

      5.2.2. Mas se o referido grupo é precedido de vogal, a primeira consoante passa a ser tratada com intervocálica, e, neste caso, além de poder sofrer síncope, pode igualmente

      a) ou sonorizar-se (sofre sonorização: passa de surda a sonora):

                  latrone > ladrão

                  lacrima > lágrima

                  capra > cabra

                  libru > livro

      b) ou vocalizar-se (transforma-se em vogal):

                  flagrare > cheirar

                  cathedra > cadeira

                  integru > inteiro

      c) ou manter-se inalterável:

                  integru > íntegro

                  nigru > negro

      d) e, em certos casos, a líquida R, da sílaba átona, pode desaparecer por dissimilação total:

                  aratru > arado

                  fratre > frade

                  cribru > crivo

                  rostru > rosto

                  matrastra > madrasta

      5.2.3. Quanto aos grupos formados pela líquida L, temos a distinguir:

      5.2.3.1. Os grupos CL, PL e FL, se precedidos de consoante, palatalizam em CH:

                  masculu > masclu > macho

                  fasculu > fasclu > facho

                  macula > mancula > mancla > mancha

                  inflare > inchar

      Nota: Em casos como afflare, que palatizou em CH (achar), é necessário ter em conta que que o duplo f resulta da assimilação da consoante d (adflare), pelo que o primeiro f equivale precisamente a uma consoante.

      5.2.3.2. Se esses mesmos grupos se encontram antecedidos por uma vogal, a palatalização acontece em LH:

                  scopulu > iscoplu > escolho

                  oculu > oclu > olho

                  auricula > ouricla > orelha

                  apicula > apicla > abelha

                  macula > macla > malha

      5.2.3.3. Os grupos BL, GL e TL, quando precedidos de vogal, palatalizam em LH:

                  tribulo > triblu > trilho

                  tegula > tegla > telha

                  coagulare > coaglar > coalhar

                  vetulu > vetlu > velho (é provável que TL tenha primeiro passado a CL __ veclu)

                  rotula > rotla > rolha

      Em algumas palavras a líquida L deu lugar à sua congénere R:

                  Nobile > noble > nobre

                  Regula > regla > regra

                  Obligare > obrigar

                  Diabolu > diablo > diabro (arcaico; de onde

      derivará diabrete, diabrura, emdiabrar).

      5.3. GRUPOS IMPRÓPRIOS

      5.3.1. Os grupos consonantais iniciados por S impuro, recebem o e protético (também chamado vogal de apoio):

                  scutu > escudo

                  scorpione > escorpião

                  sponsa > esposa

                  spatio > espaço

                  stella > estrela

                  stare > estar

      Mas se a palavra se inicia pelo grupo SC, seguido de i ou de e, o S sofre aférese (cai):

                  scientia > ciência

                  scena > cena

      5.3.2. Nos grupos formados por uma oclusiva e outras consoantes, verifica-se o seguinte:

      __ PS: sofre assimilação:

                  Ipse > esse

                  Ipsu > isso

                  Gypsu > gesso

      __ CT: vocaliza-se:

                  Nocte > noite

                  Octo > oito

                  Respectu > respeito

      __ PT: __ ora vocaliza-se:

                  conceptu > conceito

                  acceptu > aceito

      __ ora sofre assimilação:

                  septe > sette > sete

                  captare > cattare > catar

      __ GN: __ ora vocaliza-se:

                  regnu > reino

                  Agnese > Aines > Inês

                  __ ora palataliza-se:

                  pugnu > punho

                  agnu > anho

                  signa > senha

      __ CS (= X): passa a IX, IS ou SS:

                  saxu > seixo

                  mataxa > madaixa > madeixa

                  laxare > leixar (arcaico)

                  Sex > seis

                  Dixi > disse

                  Sexaginta > sessaenta > sessenta

      Nos grupos resultantes dos prefixos ad, sub, e ab, dá-se, geralmente, a assimilação:

                  Substare > sustar

                  Subterrare > soterrar

                  Advocatu > avogado (arcaico)

                  Adversu > avesso

                  Subjectu > sujeito

      E, raramente, a vocalização:

                  Absentia > ausência

      5.3.3. Nos grupos formados por constritivas e outras consoantes verificam-se os seguintes casos:

      __ RS: assimila-se:

                  persicu > pêssego

                  persona > pessoa

      __ MN: assimila-se:

                  somnu > sono

                  autumnu > outono

      __ RB: o B sonoriza em V:

                  arbore > árvore

                  turbare > turvar

                  carbone > carvão

      __ LB: o B sonoriza em V:

                  albu > alvo

                  silbar > silvar

      __ NS: síncope do N:

                  mensa > mesa

                  ansa > asa

      __ SC (+ e ou i): __ ora assimila-se:

                  patescere > padecer

                  merescere > merecer

                  cognoscere > conecer > conhecer

      __ ora passa a IX:

                  pisce > peixe

      __ LT: o L vocaliza-se:

                  Alteru > altru > outro

                  Multu > muito

      __ LC: o L vocaliza-se:

                  Falce > fauce > foice

      __ LP: o L vocaliza-se:

                  Palpare > paupare > poupar

      Os grupos ML e MR, resultantes da síncope de uma vogal desenvolvem uma consoante de transição B:

                  simulante > sim'lante > semblante

                  umeru > um'ro > ombro

      5.4. GRUPOS DE CONSOANTES + SEMIVOGAL

      Se tomarmos, por exemplo a palavra "miliu", constatamos que ela tem três sílabas, dado que o encontro final é em hiato: mi-li-u.

      Este hiato final desaparecerá, pela passagem da vogal i a semivogal / j /, originando ditongo: mi-lju (com duas sílabas apenas).

      Depois, este encontro entre a consoante L com a semivogal / j / sofre palatalização em LH: miliu > milho.

      5.4.1. LY (L + I com valor de semivogal) sofre palatalização em LH:

                  filiu > filyu > filho

                  palea > palya > palha

                  consiliu > consilyu > conselho

      5.4.2. NY (N + I com valor de semivogal) sofre palatalização em NH:

                  ciconia > ciconya > cegonha

                  teneo > tenyo > tenho

                  verecundia > verecunya > vergonha

                  linea > linya > linha

                  seniore > senyor > senhor

                  aranea > aranya > aranha

      5.4.3. CY e TY assibilam-se ora em C (Ç) ora em Z:

                  facio > facyo > faço

                  lancea > lancya > lança

                  pretiu > pretyo > preço

                  gratia > gratya > graça

                  palatio > palatyo > paaço > paço

                  capitia > capitya > cabeça

                  sperantia > sperantya > esperança

                  bellitia > belitya > beleza

                  jaceo > jacyo > jazo

                  judiciu > judicyo > juízo

      5.4.4. O encontro DY:

      5.4.4.1. Ou assibila-se em C (Ç):

                  audio > audyo > ouço

                  ardeo > ardyo > arço (arcaico)

                  verecundia > verecundya > vergonça (arcaico)

      5.4.4.2. Ou palataliza-se em J:

                  insidio > ensedyo > ensejo

                  hodie > hodye > hoje

                  invidia > invidya > inveja

      5.4.5. GY palataliza-se em J:

                  fugio > fugyo > fujo

                  angelu > angeo > angyo > anjo

                  spongia > spongya > esponja

      NOTA: Há no entanto casos em que o D e G, nos encontros DY e GY, foram tratados como consoantes intervocálicas, sofrendo, por isso a síncope (o que quer dizer que a vogal I não passou para IODE, isto é, não se consonantizou):

                  Radiu > radio > raio

                  Badiu > badio > baio

                  Navigiu > navigio > navio

                  Exagiu > exagio > ensaio

      5.4.6. SY passou a IJ:

                  baseu > basiu > basyo > baijo > beijo

                  caseu > casiu > casyo > caijo > queijo

                  ecclesia > igreija (arcaico) > igreja

      5.4.7. SSY passou a IX:

                  russeu > russiu > russyo > roixo > roxo

                  passione > passyone > paixão

      METAPLASMAS PRÓPRIOS DA LINGUAGEM CORRENTE

      No registo oral há manifesta tendência para a manifestação dos seguintes MATAPLASMAS:

      1) SINALEFA. __ Consiste na elisão da vogal átona final da palavra diante de vogal inicial da palavra seguinte:

                  pau de água > pau d' água

                  minha alma > minh' alma

                  outra hora > outrora

                  aquele outro > aqueloutro

                   me o > mo

                   de o > do

                   etc.

      2) ECTLIPSE. __ Consiste na supressão do "m" final de palavra diante de vogal da palavra seguinte:

                  com a > coa

                  com o > co' o

                  com os > co' os e c' os

                  etc.

                  "O sol é grande; caem co' a calma das aves" (Sá de Miranda)

                  "Onde co' o vento a água se meneia" (Camões)

                  "Crendo c' o sangue só da morte indina" (Camões)

      3) Casos de desarticulação, considerados outrora vícios de prosódia:

      3.1) AFÉRESE:

                  Está > tá

                  Espera > péra

                  José > Zé

                  Ainda > inda

                  Etc.

      3.2) APÓCOPE ou ensurdecimento:

                  bobagem > bobage

                  etc.

      3.3) PRÓTESE

                  recear > arrecear

                  renegar > arrenegar

                  lagoa > alagoa

                  etc.

      3.4) EPÊNTESE:

                  pneu > peneu

                  obter > obeter

                  etc.

      3.5) DITONGAÇÃO:

                  saudar (sa-u-dar) > sau-dar

                  arruinar (ar-ru-i-nar) > ar-rui-nar

                  etc.

      3.6) MONOTONGAÇÃO:

                  feixe > fexe

                  doutor > dotor

                  etc.

      3.7) PALATALIZAÇÃO

                  António > Antonho

                  Etc.

      3.8) ASSIMILAÇÃO:

                  também > tamém

                  etc.

      3.9) DISSIMILAÇÃO:

                  pílula > pírula

                  barganha > breganha

                  estrambótico > estrambólico

                  etc.

      3.10) HIPÉRTESE:

                  meteorologia > metereologia

                  lagartixa > largatixa

                  etc.

      3.11) METÁTESE:

                  perguntar > preguntar

                  barganha > braganha

                  prateleira > parteleira

                  etc.

      3.12) ROTACISMO:

                  falta > farta

                  almoço > armoço

                  alface > arface

      3.13) HAPLOLOGIA:

                  entretenimento > entretimento

                  paralelepípedo > paralepípedo

                  infalibilidade > infabilidade

      3.14) DESDOBRAMENTO:

                  sintaxe ('sintasse') > 'sintacse'

                  máximo ('mássimo') > 'mácsimo'


INTRODUÇÃO
-- ÍNDICE GERAL -- LÍNGUA LATINA -- FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA -- LÍNGUAS ROMÂNICAS -- NOÇÕES ELEMENTARES DE FONÉTICA -- OS METAPLASMOS (FENÓMENOS FONÉTICOS) -- VOCALISMO -- CONSONANTISMO -- FORMAS DIVERGENTES E FORMAS CONVERGENTES -- PERIODIZAÇÃO DA EVOLUÇÃO DA LÍNGUA -- MORFOLOGIA HISTÓRICA -- FORMAÇÃO DO VOCABULÁRIO -- ARCAÍSMOS -- BIBLIOGRAFIA --